3.1.06

O Paraíso é relativo

Quando Ayrton Senna chegou no céu, São Pedro foi logo perguntando:
- Como é seu nome, meu filho???
- Ayrton Senna da Silva.
- Ah!!! Você é aquele piloto da F1, não é???
- Sou eu mesmo.
- Aquele que tinha uma ilha em Angra dos Reis com heliporto, quadra de tênis, praia particular entre outras coisas, mais um jato executivo Learjet 60 de 12 lugares comprado por US$ 19.000.000,00, um helicóptero bi-turbo avaliado em US$ 5.000.000,00 uma lancha Off Shore de 58', uma fazenda em Tatuí e que ganhava US$ 1.200.000,00 por corrida?
- Sou eu mesmo.
- Andava de Audi, Honda NSX e tinha uma DUCATI com seu nome?
- Sim senhor!!!
- Morava em Mônaco, mas tinha apartamentos em NYC, Paris e viajava para o Brasil no seu próprio jatinho particular?
- Correto.
- Aquele que até hoje a família é acionista da Audi do Brasil?
- Eu mesmo!!!
- Aquele que comeu a Xuxa e a Adriane Galisteu?
- Sim.
- Putz... pode entrar, mas você vai achar o Paraíso uma m****!
Nota da Redacção: manteve-se a grafia brasileira, por se achar que resulta melhor ;)

2 comentários:

Ricardo disse...

Viva,

A piada, independentemente da grafia, está bem conseguida!

Numa nota de rodapé confesso que a tarde da morte de Ayrton Senna chocou-me muito. Em primeiro lugar pela minha idade e depois porque nutria uma profunda admiração pelo piloto!

Abraço,

Fernando Bravo disse...

Pois, a mim também me chocou. Lembro-me de estar a ver e nem imaginar que pudesse ter morrido. Só ao fim de uns minutos comecei a pensar nessa possibilidade. Sensação estranha...

Independentemente disso, sou de opinião que não há limite para o humor, excepto aquele que impomos a nós próprios - não nos rirmos do que não achamos piada.

Abraço!